Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

...adaptar.

Ler. Sentir. Cuidar.

...adaptar.

Ler. Sentir. Cuidar.

E vai um abracinho?!

Confesso. Sou uma viciada em abraços, ao ponto de começar a ressacar se passar muitos dias sem um. 

Daqueles bons, saborosos, apertadinhos, principalmente do lado esquerdo "porque é do lado do coração" (e meto aspas porque esta justificação tem autor).

Mas deixando de lado os meus gostos e as minhas dependências... a verdade é que o abraço ultrapassa, em muito, o simples cumprimento social para ser promotor de vários benefícios pessoais e sociais para quem o pratica.

Um abraço é uma situação ganha-ganha. É criar laços. É mostrar que podemos contar um com outro. É reconfortante.

Virginia Satir, psicoterapeuta, afirma que precisamos de quatro abraços por dia para sobreviver, de oito abraços por dia para nos manter e de doze abraços por dia para crescer

 

Dizem que abraçar....

 

Faz-nos sentir pessoas especiais;

Relaxa;

Faz-nos sorrir, mesmo quando o humor é outro;

Torna-nos mais pacientes;

Produz oxitocina - "neurotransmissor do amor";

Melhora a nossa rede social;

Baixa a pressão arterial;

Liga a mente ao corpo;

 

E tanto que o mundo precisa de abraços. Abraços nunca são demais.

 

Como diz uma pessoa muito especial "dá cá mas é um abraço porque beijos dou é às minhas tias."